I. Envelhecimento

I. Envelhecimento

Menu

Não só ganhamos esperança de vida,
como também vida com esperança

É o mesmo ter 40 anos numa população com uma esperança de vida de 50 anos que noutra com uma esperança de vida de 80 anos?

ENVELHECEMOS?

¿ENVEJECEMOS?

Desde meados do século XIX, ganhámos três meses de vida por cada ano que sobrevivemos.

Por exemplo, as mulheres nascidas em Espanha na década dos anos 30 tinham, ao nascer, uma esperança de vida de apenas 52 anos, e, mais de metade chegaram a fazer 78 anos.

¿DEVERÍAMOS NOS REJUVENESCER?

¿O REJUVENECEMOS?

A expectativa de vida com boa saúde tem aumentado progressivamente. A duração da vida com limitações graves permanece constante no final dela.

Isso está levando muitos cientistas a se perguntarem se, como sociedade, estamos envelhecendo ou rejuvenescendo.

ENVELHECEMOS?

¿ENVEJECEMOS?

Desde meados do século XIX, ganhámos três meses de vida por cada ano que sobrevivemos.

Por exemplo, as mulheres nascidas em Espanha na década dos anos 30 tinham, ao nascer, uma esperança de vida de apenas 52 anos, e, mais de metade chegaram a fazer 78 anos.

¿DEVERÍAMOS NOS REJUVENESCER?

¿O REJUVENECEMOS?

A expectativa de vida com boa saúde tem aumentado progressivamente. A duração da vida com limitações graves permanece constante no final dela.

Isso está levando muitos cientistas a se perguntarem se, como sociedade, estamos envelhecendo ou rejuvenescendo.

¿ENVEJECEMOS?
¿O REJUVENECEMOS?
Desliza para ver más
podcast

O Podcast

Estamos a envelhecer ou a rejuvenescer?

Neste episódio, questiona-se em quanto um ser humano pode chegar a viver, e se estamos a envelhecer ou a rejuvenescer, sendo tudo influenciado diretamente pela esperança de vida. É Lola Puga, cientista titular do CSIC e especialista em demografia e envelhecimento que nos explica.

Estamos a envelhecer ou a rejuvenescer?

Agradecimentos:

Agradecimentos: Lola Puga, Beatriz Terrero e Rafael de Corcuera.

Curiosidadecuriosidad

Ganhamos vida em saúde da mesma maneira
em todas as partes do mundo?

Ver resposta

Não, os ganhos de vida em saúde são muito desiguais, e são considerados um bom indicador da qualidade de vida num local. Por exemplo, em Espanha, a esperança de vida é elevada, mas a nossa esperança de vida em saúde é relativamente baixa comparativamente com o contexto europeu. Isto ocorre em quase toda a Europa mediterrânea e denomina-se o paradoxo mediterrâneo. É um contexto que está a ser investigado com o objetico de reduzir este fosso.

Relatório para Espanha articulo flag-es Relatório para a Europa articulo flag-uk Relatório para o resto do mundo articulo flag-uk